English

Notícias

Notícias

24|10|2010 - 20h05Uma segunda geração para o etanol

Crédito: Elaine Oliveira - O Globo.

Com o bagaço da cana é possível elevar em até 40% a produção de etanol sem ter de aumentar as plantações. Fonte: BrasilAgro

Com cerca de 1% do território ocupado por lavouras de cana-de-açúcar, o Brasil ostenta o segundo lugar no ranking dos maiores produtores mundiais de etanol, que este ano deve somar 29 bilhões de litros no país.

Enquanto o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento aposta na duplicação desse potencial em um prazo de 10 anos, cientistas já trabalham para desenvolver a segunda geração do produto: o etanol celulósico.

A ideia é produzir o cobiçado biocombustível, cuja demanda cresce a cada dia no mercado global, a partir de restos da indústria madeireira, como galhos finos de eucalipto, e também de casca de arroz, de bagaço da cana e de outros resíduos agrícolas, que muitas vezes não são aproveitados e acabam no lixo ou simplesmente são queimados.

- Temos muito a ganhar com essa evolução. Para se ter uma ideia, só com o uso do bagaço da cana, será possível elevar em 30% ou 40% a produção de etanol sem ter de aumentar as plantações - explica o chefe de Comunicação e Negócios da Embrapa Agroenergia, José Manuel Cabral.

A alternativa vem sendo alvo de estudos na entidade há cerca de três anos, inclusive com parcerias externas. No mesmo caminho, estão órgãos como o Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol, do Ministério de Ciência e Tecnologia, e a Petrobras.

Disposta a manter o país à frente quando o assunto é etanol, a gigante brasileira acaba de assinar um contrato com a KL Energy Corporation (KLE) para aperfeiçoar a tecnologia de obtenção do produto, que já vem sendo estudada por técnicos da Petrobras desde 2004. Os testes na planta da KLE, em Upton (EUA), devem transcorrer até o início de 2011.

- O que a gente quer é ter a vanguarda nessa área. Nossa meta é desenvolver, no Brasil, a primeira unidade industrial do mundo capaz de produzir etanol celulósico - adianta o gaúcho João Norberto Noschang Neto, gerente de gestão tecnológica da Petrobras Biocombustível.


Notícias relacionadas

Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE)

Integra o Centro de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) | Campinas-SP
Telefone: +55 (19) 3512-1010 | Fax: +55 (19) 3518-3104