English

Notícias

Notícias

31|07|2011 - 08h44Análise: Setor de bioenergia precisa de diálogo

Definição de regras claras e estáveis garantam atratividade e rentabilidade para produtores. Fonte: Folha de S. Paulo

José Carlos Grubisich

Existe um claro consenso de que o uso do etanol e da energia elétrica produzidos a partir da cana de açúcar traz benefícios para o consumidor e contribui para o desenvolvimento econômico e social do Brasil.

Hoje, a cana-de-açúcar é a segunda fonte de energia do país, atrás somente do petróleo, e sua importância deve crescer ainda mais ao longo desta década. As previsões mostram que o aumento da demanda por etanol chegará a 73 bilhões de litros em 2020, quase o triplo dos 27 bilhões de litros atuais.

A bioenergia, que sai dos canaviais e das usinas localizadas em mais de 20 Estados brasileiros, tem se consolidado a cada dia como fonte de energia limpa, renovável e, sobretudo, competitiva.
O consumidor está cada dia mais consciente da importância da energia produzida a partir da cana e dos seus benefícios ambientais, sociais e financeiros.

Nesse contexto de mercado favorável, o grande desafio do setor, e do país, é a retomada dos investimentos com a expansão acelerada da produção.

A cadeia produtiva tem a responsabilidade de assegurar o abastecimento do mercado interno, a fim de minimizar as atuais preocupações e desconfianças em torno da capacidade de suprimento da demanda, mas não pode --e não deve-- abandonar a ambição de liderar o fornecimento do biocombustível no plano internacional.

O setor de bioenergia brasileiro tem competência, tecnologia e pessoas preparadas para assegurar, ao mesmo tempo, o crescimento da produção no Brasil e lançar as bases para a construção de plataformas agroindustriais competitivas em outras geografias, como América Latina e África.

Torna-se prioritário um diálogo objetivo e transparente entre os formuladores de políticas públicas e todos os agentes da cadeia produtiva para a definição de regras claras e estáveis que garantam a atratividade e a rentabilidade para os produtores, para a tomada de decisão de novos investimentos.

A cadeia produtiva da bioenergia está madura e bastante preparada para esses desafios do crescimento e pode participar ativamente de amplos debates para que todas as questões estratégicas do setor sejam resolvidas com rapidez.

Somente com a definição de políticas consistentes e de planos de investimentos de longo prazo o Brasil poderá protagonizar a produção mundial de energia limpa, competitiva e sustentável.

José Carlos Grubisich é presidente da ETH Bioenergia


 


Notícias relacionadas

Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE)

Integra o Centro de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) | Campinas-SP
Telefone: +55 (19) 3512-1010 | Fax: +55 (19) 3518-3104